Universalização da Rede de Saneamento

Niterói será a primeira cidade brasileira, com cerca de 500 mil habitantes, a ter todos os domicílios ligados à rede de esgoto, até 2020.

As obras para atingir o objetivo desse projeto já estão em andamento por vários pontos do município. Uma cidade com saneamento básico universalizado possui baixos índices de doenças de veiculação hídrica. É, portanto, mais saudável!

ICONES-INTERNA-16---UNIVERSALIZAÇÃO-DA-REDE-DE-SANEAMENTO

O fato de a cidade já possuir excelentes níveis de disponibilidade de saneamento básico, com 92% dos domicílios conectados à rede geral de esgoto (dados de 2010), não diminui o desafio.  Isso porque o modelo de saneamento niteroiense precisa alcançar as comunidades de menor renda, o que requer a superação de alguns obstáculos.

As soluções para atingir a meta passam tanto pela engenharia sanitária, quanto pela assistência social e a defesa civil. Além de integrar ao sistema as unidades não conectadas é preciso ter o cuidado de resguardar as demais redes de serviço.  Para tanto, é necessário adotar soluções inovadoras e sustentáveis para o tratamento de esgoto, drenagem e gestão de resíduos sólidos. Outra exigência é tornar o sistema de fiscalização e monitoramento da rede de esgoto mais eficiente.

Uma das questões mais preocupantes se refere ao tratamento dos resíduos sólidos. Embora Niterói se destaque como uma das melhores cidades no que diz respeito à coleta diária de lixo, ainda carece da falta de aterros sanitários regularizados e de um programa de reciclagem amplo e eficiente.

  • 20141110_NIT_estacao_tratamento_itaipu_MT
    20141110_NIT_estacao_tratamento_itaipu_MT
    20141110_NIT_estacao_tratamento_itaipu_MT
    20141110_NIT_estacao_tratamento_mata_paca_MT
    20141110_NIT_estacao_tratamento_mata_paca_MT
    Saneamento 8